Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Notícias Hélio Guabiraba realiza reunião solene pelo Dia Nacional do Samba

Hélio Guabiraba realiza reunião solene pelo Dia Nacional do Samba

Conhecido como o gênero musical que identifica o Brasil, o samba tem seu dia nacional comemorado nesta segunda-feira (2) e foi festejado em reunião solene realizada pelo vereador Hélio Guabiraba, atualmente sem partido. O plenário e as galerias da Câmara Municipal do Recife ficaram lotados de cantores, compositores, representantes de escolas e produtores que trabalham com o samba, para assistir à solenidade que começou às 19h. O vereador destacou 47 pessoas que trabalham com o estilo musical e com a dança, prestou homenagem a elas e entregou certificados. “Hoje comemoramos o Dia Nacional e Municipal e por isso vamos realizar uma grande homenagem para os sambistas”, disse.

A reunião solene foi dirigida pelo vereador Eduardo Marques (PSB), que também é presidente da Câmara Municipal do Recife. Ele compôs a mesa com o vereador Hélio Guabiraba, os homenageados Belo Xis e Wellington do Pandeiro; o presidente da Federação das Escolas de Samba de Pernambuco (Fesape), Rafael Nunes; a diretora da Rede Globo, jornalista Jô Mazzarolo; a gerente de Desenvolvimento Cultural da Fundação de Cultura Cidade do Recife, Iana Marques. Estiveram presentes os vereadores Romerinho Jatobá (PROS) e Ivan Moraes (PSol). Apesar de o samba ter se tornado uma identidade da cultura do Rio e da Bahia, o Recife também tem forte tradição no gênero musical.

No discurso de saudação, o vereador Helio Guabiraba disse que o Brasil é conhecido internacionalmente pelo samba, “um estilo musical que também é considerado uma das principais manifestações culturais populares brasileiras. O Carnaval é a festividade onde o samba foi popularizado, virando o ritmo oficial da festa”, disse. Ele afirmou ainda que aproveitou a data comemorativa para homenagear não somente o sambista. “Também incluímos as escolas de samba, agremiações, blocos e diversos grupos. Como grande incentivador da cultura, eu não podia deixar de prestar essa homenagem. Parabéns a todos que levantam a bandeira do samba na nossa cidade e por todo o Brasil”.

A gerente de Desenvolvimento Cultural da Fundação de Cultura, Iana Marques, disse que solenidade foi muito importante tendo em vista que o Recife é uma cidade que tradicionalmente se identifica com o frevo e o maracatu. “Esse evento de hoje consolida o respeito, o incentivo e o gosto do povo recifense por esse gênero”, afirmou. O presidente da Fesape, Rafael Nunes, disse que a solenidade “foi uma iniciativa gratificante, pois não é fácil fazer samba em terra de frevo e maracatu”. Ele ressaltou que o Recife e Região Metropolitana tem 14 escolas de samba, mas que já houve um período em que elas recebiam muito mais incentivo dos poderes públicos do que atualmente. “Na década de 1980, Pernambuco foi considerado o segundo maior polo de samba do Brasil”, lembrou.

O Recife, segundo Rafael Nunes, perdeu espaço para São Paulo, Vitória e Porto Alegre. “Perdemos o posto por falta de incentivo. Até mesmo no Carnaval de rua do Recife, não temos a mesma valorização de antes”, disse. Rafael lamentou, inclusive, que o trabalho social realizado pelas escolas, nas comunidades, não ganham divulgação ou reconhecimento.O cantor Belo Xis, em seu discurso, agradeceu pela homenagem e fez questão de lembrar os apoios que o samba tem recebido no Recife, dos poderes públicos e da TV Globo. A cantora Karyna Spinelli fez um discurso ressaltando o samba como herança do povo negro e observou que é importante combater os preconceitos e o racismo.

Em, seguida, houve apresentação de samba no plenário. O maestro Formiga, que recebeu homenagem, disse que a solenidade realizada pelo vereador Helio Guabiraba era importante porque é preciso desfazer, em seu entendimento, a distância entre o frevo e o samba. “Eu sou ligado ao frevo, mas tenho muito carinho pelo samba. Há uma tendência de se relegar o samba, aqui, mas é muito errado. Não se pode relegar uma música que tem o mesmo linguajar do frevo. Antigamente, todo cantor de frevo era também de samba e vice-versa”, afirmou.

Em 02.12.2019

Ações do documento